Em moda, a previsão de tendências vai mudar com a Inteligência Artificial.

Em moda, a previsão de tendências vai mudar com a Inteligência Artificial.
Em moda, a previsão de tendências vai mudar com a Inteligência Artificial.

 

 

O mercado global de vestuário, que representa 2% do PIB mundial, está dependente da previsão das últimas tendências da estação. Essas tendências, porém, tão depressa nascem, como morrem. Portanto, ser capaz de antecipar as vontades dos consumidores pode implicar diferenças multimilionárias nos números anuais.

A medida que as tendências oscilam, a capacidade de aplicar insights em tempo real e até mesmo preditivos é uma grande vantagem para as marcas e varejistas de moda. Utilizar esta informação para prever a próxima macrotendência pode distinguir os vencedores dos perdedores do sector. A tecnologia pode dar uma mão, analisa a Quartz.

Quer se trate de sapatilhas brancas imaculadas ou de looks em vermelho total, as capacidades dos cérebros humanos que deliberam sobre essas tendências podem ser aprimoradas pelas capacidades analíticas das máquinas. Agora mais do que nunca, os dados poderão ser vistos  para inspirar designers e minimizar riscos. Quando os criadores de moda se sentam para desenvolver as próximas linhas, os esboços podem já ser ditados por dados reais e não apenas pela sua imaginação.

A computação cognitiva, um tipo de sistema de Inteligência Artificial (IA), analisa dados para estabelecer conexões entre diferentes elementos de informação. Tal como o cérebro humano é capaz de processar imagens visuais, vídeos, análises de moda, médias sociais e até previsões meteorológicas, a tecnologia pode fazer isso mas em grande escala, permitindo antecipar mais eficazmente a procura por produtos, por exemplo.

Na IBM, o sistema cognitivo Watson tem sido usado para prever corretamente as cores e os padrões que dominarão os guarda-roupas dos consumidores.

Indo ainda mais longe, a democratização da análise de tendências poderia ter um efeito profundo nas empresas.

Habitualmente, os varejistas de moda rápida contam com empresas de análise de tendências para lhes dizerem que ideias são mais viáveis quando se trata de custos de produção. A maioria das marcas começa a desenvolver produtos para a nova estação um ano antes das vendas.

As casas de moda contratam geralmente empresas e talentos externos que navegam em centenas de blogs e estudam milhares de imagens de desfiles, redes sociais e arquivos de moda para desvendarem as tendências e fomentar a inspiração. Essa estratégia pode estender-se a meses – e representa uma despesa colossal – para descobrir os insights que a IA pode oferecer em segundos.

Os especialistas em análise de tendências como o portal WGSN podem custar mais de 50 mil dólares (aproximadamente 42 mil euros) anuais em assinaturas, mas a tecnologia cognitiva permite aos designers acumular dados internos e externos nas suas casas.

Quartz\

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code